Historia do Mogno Africano no Brasil

terça, 16 de setembro de 2014

O mogno africano chegou ao Brasil pelas mãos do ministro da agricultura da Costa do Marfim em 1977. “Uma comitiva estava visitando a região amazônica e passou pela sede da Embrapa Oriental, em Belém do Pará (PA). O homem enfiou a mão no bolso de sua túnica colorida, tirou umas sementes e me deu. Ele disse que aquilo era puro ouro verde”, lembra o pesquisador Ítalo Cláudio Falesi. “Fui no quintal da Embrapa e plantei a árvore. Hoje, ela está gigante, com um diâmetro imenso, é a mais antiga árvore de mogno africano no país”, afirma. 


Falesi se aposentou, mas não abandonou a árvore. Ele investiu em 125 hectares de mogno africano em uma propriedade particular e hoje, já tem sementes da espécie para vender (o quilo da semente custa em média R$ 2 mil), mas dedica principalmente em estudar doenças e pragas da cultura. São poucas, segundo ele. “Os principais problemas são as formigas cortadeiras, que causam um prejuízo tremendo, e a broca”, explica. “Mas se o produtor fizer um trabalho preventivo, principalmente com as formigas, o mogno africano terá um custo baixo para quem produz”. Falesi também afirma que a árvore é resistente a doença que divide o tronco ao meio, como ocorre na maioria das espécies nobres. 

Fonte: Mogno Africano