Plano Safra 2016/2017

quarta, 10 de agosto de 2016

No período de 1º de julho de 2016 a 30 de junho de 2017, o Plano Safra 2016/2017 está sendo operado pelos bancos que financiam as atividades agropecuárias.

Todo esse crédito é direcionado para os produtores rurais do país, com juros variando de 0,5% a 5,5% ao ano para a agricultura familiar (Pronaf) e de 8% a 12,75% ao ano para a agricultura empresarial. O dinheiro é direcionado para o financiamento de custeio, investimento e comercialização das ações desenvolvidas nas propriedades rurais.

Como forma de estimular a regularização ambiental nas atividades rurais, uma das regras do Plano Safra 2016/2017 é que quem já fez o Cadastro Ambiental Rural (CAR), tem prioridade na liberação do crédito. Isso é válido para os pequenos produtores e para a agricultura empresarial.

No Pronaf, quase todas as linhas de crédito tiveram seus recursos aumentados e reajuste em torno de 10% em todas elas, o que significa que mais recursos estão disponíveis para os produtores.

Novidades sobre o Plano Safra 2016/2017

Anteriormente, o valor dos juros era definido a partir do montante contratado, agora depende da atividade contratada. Por exemplo, o limite do custeio foi para R$250 mil, com 2,5% de juros ao ano. Considerando as culturas que não fazem parte da lista que dispõe sobre os juros diferenciados, é interessante apontar que se o custeio chegar até R$20 mil, a taxa de juros fica em 2,5% ao ano, mas se ultrapassar esse valor, a taxa normal é 5,5% ao ano. Para a aquisição de animais para recria e engorda, o limite é de R$20 mil reais, com juros de 5,5% ao ano.

No Programa Mais Alimentos do Plano Safra 2016/2017, o limite de até R$ 165 mil tem também a opção de juros de 2,5% para algumas atividades, como práticas conservacionistas, formação de pastagens, capineira, silagem, feno, distribuição de água, cultivo protegido, tanques de resfriamento e ordenhadeiras, entre outras. Nas demais atividades do programa, os juros são de 5,5% por cento ao ano.

Foi definido também um limite único de custeio de R$ 3 milhões por beneficiário agrícola, enquanto para a comercialização o limite é de R$ 4,5 milhões por produtor. O valor do teto continua R$430 mil reais por beneficiário.

Uma outra mudança é que agora 60% do recurso do Plano Safra 2016/2017 deve ser aplicado entre o primeiro dia de julho até o último dia de dezembro de 2016. Os outros 40% ficarão entre o primeiro dia de janeiro até o último dia de junho de 2017.

A Plante Roots auxilia o produtor rural em todo o processo burocrático para contratar o Plano Safra 2016/2017. Fale conosco.